Ex-policial agride aluno em escola pública

17/05/2016 às 11h05

Imagens de um ex-policial que prestava serviço comunitário na escola estadual Jesus Nazareno de Souza Cruz, no bairro Caranã, zona Oeste de Boa Vista, têm repercutido nas redes socias nesta segunda-feira (16). O motivo, conforme o vídeo postado nas redes sociais semana passada, seria uma confusão causada por uma garrafa de refrigerante.

Nas imagens, é possível ver o ex-policial empurrando o estudante e chega a imobilizar os braços do rapaz pelas costas. No vídeo, é possível escutar o homem dizendo: "você vai levar essa coca lá, você vai levar essa coca lá".

Nesse instante o rapaz é mobilizado pelo porteiro que prestava serviço à escola e é forçado a caminhar. Com isso, os outros estudantes gritam: "você não pode fazer isso, solta o cara". A agressão é contida por outros funcionários.

De acordo com uma testemunha, alguns estudantes pediram para que uma pessoa que estava do lado de fora da unidade comprasse um refrigerante.

"Quando o menino entregou a garrafa pelas grades da escola o ex-policial viu e mandou o aluno que tinha recebido devolver o refrigerante, alegando que não é permitido a entrada de produtos na escola", conta.

Ainda segundo o aluno, o estudante teria se negado a devolver o produto e a partir disso os 'ânimos se alteraram' e o ex-policial começou a empurrar o rapaz, ordenando que ele devolvesse o refrigerante.

"Daí todo mundo que estava perto começou a gritar falando para ele [ex-policial] parar com aquilo, foi quando ele agarrou os braços do rapaz", comenta.

 

Nota do Governo

A secretaria de Comunicação Social do governo informou que as providências já foram tomadas em relação ao caso ocorrido na escola.

"O aluno recebeu, de outra pessoa que estava do lado de fora da escola, uma garrafa de refrigerante. O ex-policial pediu para o aluno não receber e nem ingerir a bebida, foi quando o estudante o desacatou com palavras de baixo calão. Foi então que o ex-policial tentou tomar a garrafa do aluno", informa a nota.

Ainda segundo a nota, os pais do estudante foram chamados à unidade. "O aluno levou suspensão de três dias e o ex-policial foi devolvido para o órgão onde prestava serviço antes de ser encaminhado para a escola", complementa a nota, acrescentando que a direção da unidade de ensino proíbe a compra de produtos fora da instituição é proibida.