Polícia investiga caso de zoofilia em Roraima

18/02/2016 às 04h02

A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente de Roraima continua investigando os suspeitos de praticar e incitar zoofilia, ato de manter relação sexual com animais, e espalhar vídeos e fotos em rede social.

Em entrevista a imprensa local na última quarta-feira (17), a delegada Catherine Saraiva, titular da unidade policial, disse que algumas testemunhas já foram ouvidas. "Algumas pessoas já foram ouvidas. Não podemos dar mais detalhes porque o caso tomou uma proporção grande na imprensa. Somente uma pessoa denunciou o caso. Algumas dizem que foram à delegacia, mas não isso não procede. Até porque, ninguém foi espontaneamente. Só compareceram as pessoas intimidas", explica a delegada.

Conforme denúncia feita à polícia e publicada no Facebook, um jovem de 23 anos seria o mentor de propagar vídeos de sexos com uma cadela em um grupo de WhatsApp e chamar pessoas para participar virtualmente. 

O caso foi levado à Delegacia de Meio Ambiente por um voluntário do Grupo de Proteção de Animais de Rua de Roraima (Gpar), que acompanhou o caso e colheu imagens divulgadas virtualmente.

De acordo com a delegada, as provas e indícios que haviam sobre a suposta prática de zoofilia não existem mais, devido o caso ter chegado à imprensa.

"Estamos investigando para termos um resposta o quanto antes. A denúncia na polícia se deu em janeiro deste ano. Estava de férias, mas um colega [delegado] começou a investigar. Mas, as pessoas sumiram. Tivemos de recomeçar o caso apenas com um boletim de ocorrência", sustenta.